Ébola: testes humanos de candidatas a vacina arrancam em duas semanas

Ouvir /

OMS prevê que resultados da primeira fase estejam disponíveis em dezembro; propostas foram desenvolvidas no Reino Unido e no Canadá; expetativa é usar na África Ocidental no início de 2015.

Foto:OMS/G. Smyth

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque. 

A Organização Mundial da Saúde, OMS, anunciou que os testes de duas  vacinas contra o ébola em humanos serão iniciados nas próximas duas semanas.

A principal é a Cad3-Zebov, desenvolvida pela farmacêutica britânica GlaxoSmithKline. A outra é a Vsvd-Zebov que foi doada à OMS pela Agência de Saúde Pública do Canadá. Mais de 4,5 mil pessoas morreram e 9,1 mil foram infectadas pelo vírus que principalmente afeta a Libéria, a Serra Leoa e a Guiné Conacri.

Dados Iniciais

Falando a jornalistas, em Genebra, a diretora-geral adjunta da agência da ONU para Sistemas de Saúde e Inovação revelou que os dados iniciais dos testes clínicos devem estar disponíveis em dezembro.

Marie Paule Kieny disse que, ao todo, os ensaios devem levar entre seis meses a um ano. A responsável disse que a fase inicial deve ajudar a verificar a segurança, a capacidade de induzir a uma resposta imunológica além de determinar a dose certa.

Os testes clínicos da Cad3-Zebov decorrem na cidade britânica de Oxford, nos Estados Unidos e no Mali. Em Lausanne, na Suíça, os ensaios serão efetuados em novembro.

Já as pesquisas da Vsdv-Zebov decorrem nos Estados Unidos, na Alemanha, na Suíça, no Gabão e no Quénia.

Voluntários

Cerca de 250 voluntários estão envolvidos nos testes clínicos das duas vacinas contra o ébola. A Suíça acolhe metade do grupo composto por adultos saudáveis entre os 18 e os 65 anos.

Uma vez concluídas as pesquisas,  espera-se que as vacinas sejam usadas na África Ocidental no início de 2015.

Resultados

Kieny avançou a possibilidade de aplicar a vacina em pessoal de saúde, membros de equipas que fazem os enterros, familiares das vítimas ou pessoas com quem estas tiveram contacto.

A OMS indica não haver clareza sobre quando as vacinas poderiam ser distribuídas para as populações. A representante disse que tal não será determinado até que os resultados dos testes estejam disponíveis.

A agência frisou que não existe vacina sem efeitos colaterais, mas descartou a hipótese de pessoas a serem imunizadas poderem adoecer de ébola pelo facto de "as vacinas não conterem suficiente material genético do vírus."

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031