Autores de afundamento no Mediterrâneo têm de ser levados à justiça

Ouvir /

Alto comissário dos Direitos Humanos afirma que alegado naufrágio criminoso no Mediterrâneo pode ser considerado assassinato em massa;  relatos de testemunhas indicam que pelo menos 100 menores estavam entre as centenas de passageiros do barco.

Zeid Ra’ad Al Hussein. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos pediu informações para levar à justiça os contrabandistas do navio que teria sido deliberadamente afundado, na semana passada, no mar Mediterrâneo.

O pedido de Zeid Ra'ad Al Hussein consta de um nota publicada esta sexta-feira visando o Egito, os países do norte de África e da Europa. O naufrágio da embarcação provocou a morte de entre 300 a 500 refugiados e migrantes.

Afogamento

De Genebra, o alto comissário afirmou que o alegado afogamento é um ato criminoso que não deve ficar impune.

De acordo com o porta-voz de Zeid, Rupert Colville, o responsável declarou que se pode estar perante o que pode ser considerado assassinato em massa no Mediterrâneo, caso os relatos aparentemente credíveis dos sobreviventes sejam de fato verdade.

A Organização Internacional para Migrações, OIM,  entrevistou  sobreviventes do sinistro na Itália, na Grécia e em Malta.

Egito

Em nota, a agência disse que os seus pesquisadores indicam que os contrabandistas teriam cobrado até US$ 4 mil de cada passageiro para embarcar no barco superlotado que deixou o Egito.

De seguida, estes teriam sido forçados a mudar de barcos por várias vezes no meio do mar. Os sobreviventes falaram ainda da presença de até 100 crianças menores de 10 anos nas plataformas do barco.

Sobreviventes 

O chefe de Direitos Humanos acrescentou que a impunidade nos crimes cometidos por traficantes de pessoas devem chegar ao fim. Ao mesmo tempo, exortou aos Estados a fazerem mais para combater as causas profundas que levam às pessoas a se arriscarem na viagem.

Conforme o alto comissariado, os direitos das vítimas não devem ser ignorados, simplesmente porque eram estrangeiros e o crime ter ocorrido em alto-mar.

Aos países do Mediterrâneo, Zeid  pediu um esforço para reprimir os contrabandistas que "exploram um dos grupos mais vulneráveis" colocando em risco as suas vidas, diariamente, para ganhar dinheiro.

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031