OMS preocupada com morte de 120 profissionais de saúde por ébola

Ouvir /

Mais de 240 funcionários do setor morreram em países como Guiné Conacri, Libéria, Nigéria e Serra Leoa; fragilidades incluem equipamentos e turnos diários de mais de 12 horas.

Profissionais de saúde na Serra Leoa. Foto: OMS/T. Jasarevic

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

A Organização Mundial da Saúde, OMS, disse esta segunda-feira que o facto de vários profissionais de saúde terem desenvolvido o ébola está a aumentar a preocupação no setor.

Em nota, a agência aponta para mais de 120 mortes entre o pessoal de saúde até o momento. Mais de 240 profissionais desenvolveram a doença na Guiné Conacri, na Libéria, na Nigéria e na Serra Leoa.

Infeção 

O factor é apontado como um dos que torna inédito o atual surto na África Ocidental. Entre os infetados estão médicos, enfermeiros e outros profissionais da área.

Com a morte de médicos proeminentes na Serra Leoa e na Libéria, a agência defende que esses países ficam privados de assistência experiente e dedicada e do que chama "heróis nacionais inspiradoras".

A nota destaca que em algumas áreas, os hospitais são considerados como incubadoras de infeção e evitados por pacientes de outras doenças, reduzindo o acesso aos cuidados de saúde.

Apoio Insuficiente

A perda de médicos e enfermeiros tornou difícil o apoio suficiente em pessoal médico estrangeiro, defende a OMS. Entre os fatores por detrás das altas infeções do pessoal do setor estão a falta de equipamentos de proteção individual ou o seu uso indevido.

A agência diz que os profissionais são considerados poucos para um grande surto. A OMS diz que a compaixão faz com que estes trabalhem em salas de isolamento muito além das horas recomendadas como seguras.

Procedimentos

A agência considera essencial a formação dos profissionais para a sua utilização adequada e em procedimentos rigorosos para prevenir e controlar a infeção.

Os equipamentos de proteção individual são considerados quentes e pesados para o clima tropical, no que "limita o período de trabalho de médicos e enfermeiros em locais de isolamento".

Para ilustrar que funcionários esgotados são mais propensos a cometer erros, a OMS refere que alguns médicos chegam a trabalhar além dos limites físicos em turnos de 12 horas, todos os dias da semana.

*Apresentação: Denise Costa.

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031