Maputo reúne comunidade internacional para avaliar banimento de minas

Ouvir /

Assistência às vítimas domina debates dos 161 Estados-partes da Convenção de Proibição de Minas Antipessoais; Brasil lembra ação para formar pessoal da desminagem; Angola fala de mais tempo para avaliar estado de destruição dos explosivos.

Delegações participam de evento em Mapuito. Foto: Rádio ONU/Ouri Pota

Ouri Pota, da Rádio ONU em Maputo

Sob lema "Por um Mundo Livre de Minas", 161 Estados-partes da Convenção de Proibição de Minas Antipessoais estão reunidos em Maputo em torno da proibição do uso do tipo de engenhos.

A Conferência de Revisão de Maputo, a decorrer até sexta-feira, deve culminar com contributos para ações de auxílio aos sobreviventes de minas terrestres e a definição da implementação do acordo legal mundial.

Limpeza de Minas

Em entrevista a Rádio ONU, em Maputo, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, Henrique Banze, disse que a limpeza das minas contribui para desenvolvimento económico dos pais.

"A limpeza das minas não só se limita a salvar vidas que é um aspeto importantíssimo da convenção, mas também contribui para nosso caso, para o combate da pobreza no sentido em que faz a limpeza das zonas agrícolas para as pessoas poderem produzir, mas também garante na circulação de pessoas e bens", frisou.

Ottawa

Dentre vários pontos em revisão, o encontro analisa a adoção do Plano de Ação de Maputo para orientar os esforços para tornar universal a implementação de convenção de Ottawa entre 2014 e 2019.

Angola revelou que pretende pedir a extensão do prazo para avaliar a situação atual de minas. As declarações foram feitas pelo representante do país na conferência, Adriano Gonçalves.

Angola e Brasil

"Quando alcançamos os 10 anos que prevê o artigo 5, da convenção, nós apercebemo-nos que realmente tínhamos feito bastante, mas não sabíamos realmente dimensionar o que já tínhamos feito e o que realmente falta ser feito. E é assim que nós preferimos pedir cinco anos de extensão em interino para que nós pudéssemos avaliar o estado da contaminação de minas em nosso país", realçou.

Já a chefe da delegação do Brasil, Lígia Maria, realçou o contributo do seu país para o banimento de minas antipessoais, que considerou "uma causa vital para o mundo".

"O Brasil tem oferecido treinamento, capacitação para a desminagem. Nós somos muito activos, muito presentes e nós estamos muito gratos e orgulhosos pelo facto de Moçambique estar a hospedar tão importante conferência, sobre a revisão da convenção de Ottawa. É uma Convenção que é muito vital, no seu objectivo, no seu propósito de salvar vidas e impedir que pessoas fiquem incapacitadas."

Transferência

Nesta terça-feira, a reflexão dos progressos na proibição do uso, armazenamento, produção e transferência das minas antipessoais e sobre a sua destruição deve ter como foco a assistência às vítimas.

O evento também deve abordar medidas para garantir o cumprimento da convenção e o suporte para sua implementação.

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031