Navi Pillay apela a celeridade nas discussões de paz de líderes sudaneses

Ouvir /

Presidente do país e líder rebelde encontram-se esta sexta-feira em Adis Abeba; chefe de Direitos Humanos pediu prisão de comandantes implicados em graves violações retratadas em estudo sobre o conflito.

Navi Pillay. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos pediu um esforço concertado e genuíno para que as conversações sobre o conflito sul-sudanês cheguem ao fim com sucesso.

O apelo de Navi Pillay foi feito esta sexta-feira, em Genebra, horas antes do encontro entre o presidente Salva Kiir e o líder dos rebeldes e seu antigo vice, Riek Machar, na capital etíope, Adis Abeba.

"Violações Grotescas"

O pedido para o período das negociações, é que os combates sejam suspensos imediatamente. No comunicado, Pillay também comentou o novo relatório da ONU a descrever "violações grotescas dos direitos humanos em grande escala".

A reação ocorreu um dia após o lançamento do estudo, que aponta para possíveis crimes de guerra e contra a humanidade dos dois lados.

Chamas

Pillay disse que ambas as partes precisam tomar medidas imediatas e concretas para "travar o conflito e parar a matança antes que o fogo aceso faça com que todo o país caia em chamas".

Face às revelações do relatório, a responsável reitera que não pode haver mais nenhuma desculpa tanto para Salva Kiir como para Riek Machar. Para ela, ambos "não podem continuar a evitar identificar e prender os comandantes das suas forças e outros envolvidos na prática de graves violações".

Comandantes

Pillay disse não acreditar que o Governo não tenha conhecimento de que entre os seus comandantes esteja o responsável por organizar o assassinato de mais de 300 homens da etnia Nuer. O comunicado refere que estes foram levados para um edifício governamental na capital, Juba, a 16 de dezembro.

Do mesmo modo, disse ser inacreditável que Machar não saiba qual dos seus comandantes teria instigado e liderado o assassinato em massa de centenas de civis. Entre os alvos estão mesquitas, hospitais, mercados e outros locais em Bentiu a 15 de abril.

Investigação

Pillay diz tratar-se de apenas dois dos vários exemplos de assassinatos de civis e outras violações graves descritas no relatório, divulgado esta quinta-feira pela Missão da ONU no Sudão do Sul.

Para os abusos cometidos desde o início do conflito, em meados de dezembro, a operação recomenda uma investigação "independente, transparente e de acordo com as normas e princípios do direito internacional".

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031