Chissano elogia conduta eleitoral dos guineenses na votação de domingo

Ouvir /

Chefe da missão de observadores da União Africana diz que diálogo para paz, estabilidade e desenvolvimento deve seguir-se ao anúncio de resultados; vencedor da segunda volta deve ser anunciado na terça-feira.

Segunda volta das eleições na Guiné-Bissau.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O antigo presidente de Moçambique e chefe da missão de observadores da União Africana na Guiné-Bissau considerou que a segunda volta das presidenciais no país decorreu num "ambiente pacífico e ordeiro."

Falando à Rádio ONU, de Bissau, Joaquim Chissano disse que o "grau de profissionalismo foi mais alto do que da primeira volta", no processo que deve culminar com o anúncio dos resultados na terça-feira.

Conselho de Segurança

As declarações foram feitas esta segunda-feira, horas antes da apresentação do informe do representante do secretário-geral da ONU no país, José Ramos Horta, numa sessão do Conselho de Segurança.

"A contagem dos votos foi feita à luz do dia, com uma boa participação de todos os intervenientes. Os delegados dos candidatos estavam presentes e todas as dúvidas sobre a situação de um voto ou de outro foram resolvidas, por consenso ou unanimidade, mesmo pelos presentes entre os oficiais eleitorais e os agentes dos candidatos", ressaltou.

Procedimentos Legais

Nas vésperas da votação, o secretário-geral da ONU, apelou ao respeito dos resultados oficiais. Na conversa telefónica com os concorrentes Nuno Gomes Nabiam e José Mário Vaz, Ban Ki-moon pediu que sejam seguidos procedimentos legais para resolver qualquer tipo de disputa eleitoral.

Chissano mencionou o registo de um incidente ainda em fase de apuramento pelas autoridades, o qual avançou que teria um mínimo de impacto no processo.

Investigação

"Pode-se falar por cima de 70%, em todas as circunstâncias uma boa afluência. Houve um incidente ou dois em Bafatá, que estão ainda a ser investigados. Há várias versões. Foram cenas de pancadaria entre grupos de pessoas", contou.

Após o anúncio dos resultados, Chissano disse esperar que os guineenses possam iniciar um processo de diálogo para manter a paz, a estabilidade e o desenvolvimento.

Nas vésperas da votação, Chissano leu um apelo conjunto das Missões de Observação Eleitoral aos cidadãos do país em representação de várias entidades incluindo a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

O documento foi igualmente assinado por entidades como União Europeia, Comunidade dos Estados da África Ocidental, União Económica e Monetária da região e da Organização Internacional da Francofonia.

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031