Timor-Leste: Conselho de Segurança tem que ter Brasil, Índia e Indonésia

Ouvir /

Ministro das Relações Exteriores timorense diz que o Brasil é hoje um país democrático que pode ajudar "na estabilização de problemas do mundo"; pedido para reforma do órgão da ONU foi reiterado em discurso na Assembleia Geral.

Conselho de Segurança da ONU. Foto: ONU/Rick Bajornas

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O Timor-Leste está defendendo a reforma do Conselho de Segurança com assentos permanentes para Brasil, Índia e Indonésia.

Segundo o país de língua portuguesa, no sudeste da Ásia, o mundo mudou e o Conselho de Segurança deve atender à demanda de uma nova realidade geopolítica.

Coragem

A defesa da reforma foi feita durante os discursos em debates de líderes internacionais na Assembleia Geral, encerrado em 1º de outubro.

Nesta entrevista à Rádio ONU, o ministro timorense do Exterior afirmou que seu país apoia as mudanças.

"O senhor presidente, general Taur Matan Ruak, na Assembleia Geral, falou sobre a necessidade de renovação no Conselho de Segurança em nível de membros permanentes. Nós claramente dissemos que é necessário que o Brasil, a Índia e a Indonésia sejam partes dos membros permanentes do Conselho de Segurança renovado. O Brasil é hoje uma das economias mais desenvolvidas do mundo, é um país democrático. Acreditamos que ele pode dar muito para a estabilização em nível dos problemas do mundo. O Brasil é um país que tem coragem de dizer os seus valores e afirmar os seus princípios sem a temeridade."

O Timor-Leste é um dos oito membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp.

Atualmente, o Conselho de Segurança é formado por 15 países, cinco com assentos permanentes e 10 com cadeiras rotativas.

JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 29 DE AGOSTO DE 2014
JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 29 DE AGOSTO DE 2014
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

agosto 2014
S T Q Q S S D
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031