FMI prevê crescimento de 3,6% para economia global no próximo ano

Ouvir /

Relatório do Fundo Monetário Internacional sugere que performance será puxada pelos países desenvolvidos, emergentes estão mais fracos do que se esperava; Brasil deve crescer 2,5% este ano e em 2014.

Fundo Monetário Internacional

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O Fundo Monetário Internacional,FMI, anunciou nesta terça-feira que a economia global deve encerrar este ano com um crescimento de 2,9% e melhorar em 2014 chegando a 3,6%.

A estimativa é parte do Panorama Econômico Mundial, que reviu para baixo a média de crescimento para este ano, prevista inicialmente em 3,2%.

Desempenho

De acordo com o FMI, o crescimento será puxado pelas economias desenvolvidas. E os países emergentes terão um desempenho mais fraco do que o estimado em julho deste ano. A taxa de crescimento para o Brasil é de 2,5% a mesma de 2014.

Os economistas do Fundo afirmaram que a economia global continua em marcha lenta e os fatores do crescimento estão mudando. Uma das causas é o esfriamento natural que se seguiu à subida causada pelo estímulo aplicado após a recessão.

Alguns gargalos de infraestrutura, mercados de trabalho e investimentos também contribuíram para o desaquecimento de mercados emergentes.

Mudanças

O economista-chefe do Departamento de Pesquisas do FMI, Olivier Blanchard, disse que esta transição está levando a tensões, com os emergentes enfrentando o desafio de uma queda no crescimento e as mudanças nas condições financeiras globais.

A transição ocorre também num momento de transformações na política monetária dos Estados Unidos, que está levando a novos desafios e riscos. Um exemplo são as taxas de juros a longo prazo no país. Ainda que o Banco Central americano tenha decidido não diminuir o ritmo de suas compras de ativos, o fluxo de capitais de mercados emergentes tem baixado.

Mercado Imobiliário

A previsão para o crescimento da economia americana é de 1,5 %  este ano e 2,5%  em 2014. A recuperação do mercado imobiliário e a demanda do setor privado devem ajudar a performance do país. As projeções baseiam-se na aposta de que o atual fechamento de serviços do governo federal não deverá durar muito tempo.

Já na zona do euro, políticas econômicas levaram à redução dos maiores riscos e estabilizaram as condições financeiras da região. Mas o crescimento na periferia ainda está contido por gargalos no crédito.

Europa, Japão e China

A Europa deve sair da recessão com crescimento esperado de 1% no próximo ano.

O estímulo das autoridades japonesas e o novo pacote do país causou uma revitalização econômica inesperada, mas as altas nos impostos sobre o consumo devem baixar reduzir a expectativa de crescimento de 2% para 1,25% em 2014.

Na China, a estimativa é de uma leve desaceleração de 7,5% para 7,25%.

África Subasaariana e Oriente Médio

De uma maneira geral, o crescimento dos emergentes e das economias em desenvolvimento deve permanecer forte na casa dos 4,5% a 5% sendo puxado pelo forte consumo interno, recuperação das exportações e medidas de apoio fiscal.

O preço das commodities continuará incentivando o crescimento em vários países de renda baixa como as nações da África Subsaariana.

Já as economias do Oriente Médio e do norte da África, além de Afeganistão e Paquistão continuarão a sofrer com transições políticas e dificuldades econômicas.

JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 21 DE AGOSTO DE 2014
JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 21 DE AGOSTO DE 2014
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

agosto 2014
S T Q Q S S D
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031