Angola pede reforma do Conselho de Segurança

Ouvir /

O vice-presidente angolano Manuel Domingos Vicente disse que o órgão deve refletir uma representação equitativa de todas as regiões; ele afirmou ser importante discutir a agenda pós-2015 e saudou o caminho democrático seguido por alguns países africanos.

Manuel Domingos Vicente. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O vice-presidente de Angola, Manuel Domingos Vicente, pediu uma reforma do Conselho de Segurança, em discurso na 68ª reunião da Assembleia Geral da ONU, esta sexta-feira, em Nova York.

Vicente afirmou que o órgão deve "refletir uma representação equitativa de todas as regiões", aumentando o número de membros permanentes para se adequar à realidade do mundo contemporâneo.

Agenda pós-2015

O vice-presidente angolano disse que o debate da agenda de desenvolvimento pós-2015 é fundamental.

"O governo angolano considera de grande importância a discussão do tema central dessa sessão que é a agenda de desenvolvimento pós-2015. Na esperança de um contributo efetivo ao desenvolvimento econômico e social dos países em desenvolvimento."

Vicente disse que a ONU deveria considerar a realização de reuniões regionais para tratar do assunto. Além disso, reiterou o apoio de Angola a iniciativas pela liberalização do comércio internacional, tendo como base uma competição equilibrada e justa.

Desenvolvimento Sustentável

O representante angolano renovou também os compromissos com o desenvolvimento sustentável da Agenda 21 e da Conferência Rio+20.

Num recado para a comunidade internacional, Manuel Vicente reiterou a crença de seu país no respeito e benefícios mútuos, nas boas relações com os países vizinhos e no fortalecimento da integração econômica regional.

"Angola continuará a respeitar todos os compromissos internacionais e os tratados internacionais de que é parte. Respeita e aplica os princípios da Carta das Nações Unidas e da União Africana e estabelece relações na base dos princípios da autodeterminação, da solução pacífica dos conflitos e do respeito pelos Direitos Humanos."

Consolidação

O vice-presidente afirmou que seu país passa por um período de consolidação das instituições democráticas e do Estado de Direito. Segundo ele, apesar do progresso conquistado na última década, muito ainda precisa ser feito para que se possa alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Vicente demonstrou preocupação com a violência no Egito e na Síria, a situação na República Democrática do Congo e em relação ao processo de paz entre palestinos e israelenses.

Ele citou ainda vários outros problemas mundiais, como os conflitos armados, o terrorismo, o crime organizado e o tráfico de drogas, além da pirataria marítima, os crimes ambientais, a fome e a pobreza.

ONU

Para o vice-presidente angolano essas são questões que exigem uma atenção prioritária da ONU.

"Angola reitera a importância do papel das Nações Unidas como força motriz dos esforços globais para manutenção da paz, da estabilidade e do desenvolvimento econômico e social. Pelo que urge fortalecer a capacidade da Organização das Nações Unidas na prevenção de conflitos e na gestão de crises."

África

O vice-presidente saudou também o caminho democrático que está sendo seguido por vários países africanos que depois de um um período de instabilidade conseguiram realizar eleições livres e justas. Ele citou especificamente o Mali e seus esforços de reconciliação e reconstrução do país.

Vicente falou também de fatos positivos na Guiné-Bissau, Madagascar, Somália, Sudão e Sudão do Sul. Segundo ele, apesar de viverem situações de instabilidade, esses países estão empenhados na implementação de acordos para solucionar crises.

Campanha

O vice-presidente encerrou o discurso dizendo que Angola é candidata a um assento como membro não permanente do Conselho de Segurança. Ele pediu o voto dos países integrantes da Assembleia Geral para que os angolanos possam fazer parte do órgão.

Ele expressou apoio às iniciativas da ONU que visam a construção de um mundo melhor para todos, tendo como base a justiça e a liberdade, livre de todas as ameaças que põe em perigo a paz e a segurança internacionais.

JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 26 DE DEZEMBRO DE 2014
JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 26 DE DEZEMBRO DE 2014
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2014
S T Q Q S S D
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031