ONU inaugura no Brasil o Centro para o Desenvolvimento Sustentável

Ouvir /

Rio+, na zona norte do Rio de Janeiro, irá funcionar como um escritório internacional de excelência em políticas e práticas; direção do espaço será do governo brasileiro e do Pnud.

Rebeca Grynspan na inauguração do Rio+. Foto: Unic Rio/Júlia Dias

Damaris Giuliana, do Rio de Janeiro para a Rádio ONU.* 

As Nações Unidas inauguraram nesta segunda-feira o Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável,  Rio+, que irá funcionar como um centro internacional de excelência em políticas e práticas no setor.

O espaço é um legado da conferência Rio+20 e está localizado na Ilha do Fundão, no Rio de Janeiro.

Troca de Conhecimentos

O escritório irá facilitar a pesquisa, o intercâmbio de conhecimentos e promover o debate internacional sobre o desenvolvimento econômico, social e ambiental. A proposta é integrar governos e sociedade civil.

A criação do centro foi possível graças a um aporte de US$ 4,5 milhões, ou R$ 9 milhões, arrecadados durante a Rio+20 em junho do ano passado. O Rio+ terá 26 parceiros em diversos níveis e será dirigido pelo governo brasileiro e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud.

Inovação

Durante a inauguração, o coordenador do Rio+, Rômulo Paes, falou à Rádio ONU sobre as metas do escritório.

"Nossa responsabilidade é trazer ideias que signifiquem inovação na maneira de trabalhar do setor privado e na maneira de trabalhar do governos. Então o que a população pode esperar do centro é ousadia, é responsabilidade com a mudança, é responsabilidade com a melhoria das condições de vida da população e do planeta. Nós estamos comprometidos em ousar, em trazer inovação para o debate."

O Rio+  vai trabalhar quatro temas prioritários: clima, erradicação da pobreza, cidades e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que serão estabelecidos até 2015 para dar continuidade aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Redes Sociais

No Rio de Janeiro, a administradora-adjunta do Pnud, Rebeca Grynspan, ressaltou que o centro mundial é criado em um momento em que cidadãos se mobilizam por meio das redes sociais e vão às ruas manifestar desejos de mudança.

Na opinião de Grynspan, é "preciso entender que as redes sociais neste momento, os meios eletrônicos e o avanço da tecnologia permitem hoje em dia ter uma consulta cidadã muito mais ampla e poder ouvir as vozes dos cidadãos do mundo de uma forma diferente".

A vice-chefe do Pnud lembrou que a agenda pós-2015 está sendo debatida não apenas por governos, mas por meio de consultas públicas que já receberam a contribuição de mais de 560 mil pessoas de todo o mundo.

Só no Brasil, mais de 16 mil pessoas apontaram suas prioridades de desenvolvimento, a maior contribuição registrada na América Latina.

*Apresentação: Leda Letra, com reportagem do Unic Rio.

JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 18 DE DEZEMBRO DE 2014
JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 18 DE DEZEMBRO DE 2014
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2014
S T Q Q S S D
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031