Na ONU, Bachelet cita áreas de ação para combater violência a mulheres

Ouvir /

Declaração da diretora-executiva da ONU Mulheres ocorreu na abertura da 57ª Comissão sobre o Estatuto da Mulher; ex-presidente do Chile apresentou plano de ação em cinco áreas.

Michelle Bachelet

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

 

A subsecretária-geral e diretora-executiva da ONU Mulheres, Michelle Bachelet disse que esta é a hora de agir contra a violência às mulheres.

Bachelet fez a declaração na abertura da 57ª Sessão da Comissão sobre o Estatuto da Mulher, aberta nesta segunda-feira, na sede da ONU, em Nova York.

Direito

A chefe da ONU Mulheres afirmou que todos estão reunidos porque cada pessoa tem o direito de viver sem violência e discriminação.

Segundo ela, o mundo não pode mais suportar "os custos da violência contra mulheres e meninas, os custos sociais e econômicos e da profunda dor e do sofrimento humanos."

Plano

A ex-presidente do Chile anunciou um plano de ação em cinco áreas para combater a violência contra mulheres.

Bachelet afirmou que vai ser necessário fortalecer a implementação de leis, políticas e programas de governo para evitar e responder à violência.

Serviços

A chefe da ONU Mulheres disse que as autoridades devem dar mais atenção à prevenção da violência. Outro ponto importante é o de unir prevenção e resposta como parte de uma estratégia ampla e coordenada para combater o problema.

Bachelet mencionou ainda fornecer serviços de ajuda às mulheres e finalmente, registrar os casos. Segundo ela, análises e pesquisas são essenciais para a criação de leis, políticas e programas sobre a violência contra as mulheres.

Vítimas

Bachelet afirmou que chega a hora de agir quando 70% das mulheres, em alguns países, enfrentam violência física ou sexual durante a vida.Segundo ela, a violência dos parceiros representa entre 40 e 70% dos assassinatos de mulheres em Israel, Austrália, Canadá, África do Sul e Estados Unidos.

A  subsecretária-geral disse ainda que sabe-se que é o momento de ação quando uma em cada três meninas, em países em desenvolvimento, será vítima de casamentos arranjados e 140 milhões sofrem mutilação genital.

Ela citou ainda que milhões de mulheres e meninas são traficadas para trabalho escravo e vítimas também de estupro, como tática de guerra, em regiões de conflito.

Lei

Bachelet afirmou que, atualmente, 160 países têm leis para combater a violência contra as mulheres.

Ela citou o caso da adolescente Malala Yousafzai, de 15 anos, dizendo que sua coragem, determinação e campanha pela educação para meninas serviu de inspiração para muitos.

A paquistanesa Malala quase morreu num ataque realizado por extremistas talebãs porque incentivava o estudo para meninas.

JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 23 DE OUTUBRO DE 2014
JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 23 DE OUTUBRO DE 2014
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

outubro 2014
S T Q Q S S D
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031