Afeganistão registra queda de 12% no número de mortos no conflito

Ouvir /

Dados constam do Relatório Anual sobre Proteção de Civis e foram comparados com números de 2011; nos últimos seis anos, mais de 14,7 mil civis afegãos perderam a vida no conflito.

Foto: Unama

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O número de mortos pelo conflito no Afeganistão é o menor dos últimos seis anos. A informação faz parte do Relatório Anual sobre Proteção de Civis em Conflito Armado 2012, divulgado, nesta terça-feira, em Cabul, capital do país.

O documento, compilado em parceria com a Missão da ONU, Unama, revela que a redução das mortes foi de 12%, se comparada ao mesmo período de 2011.

Ataques por Terra

Ao todo, foram 2754 óbitos de civis. Já o total de feridos foi de 4805.

Segundo o relatório, uma das razões para a queda de óbitos no conflito afegão foi a diminuição de ataques suicida por forças antigoverno. Um outro fator foi a redução de operações aéreas e menos ações por terra dos lados envolvidos nos combates.

O documento também destacou medidas tomadas pelas forças do governo do Afeganistão para reduzir as mortes de civis.

Liberdade e Justiça

Mas segundo a Unama, o ano passado também registrou mais ameaças para os cidadãos do país devido ao renascimento de grupos armados, especialmente no norte e nordeste do Afeganistão.

Muitos civis passaram a sofrer intimidações e interferências no direito que têm à educação, à saúde, liberdade e justiça por parte de grupos antigoverno.

Essas agremiações também estariam por trás de mais de oito em cada 10 incidentes envolvendo mortos e feridos em ataques pelo país.

O relatório destacou ainda o que chamou de "enorme sofrimento" de mulheres e meninas por causa do conflito. A quantidade de mulheres feridas e mortas subiu 20% no ano passado. Muitas delas foram alvejadas desempenhando tarefas rotineiras como ir ao mercado.

Irmão

E mortes e ferimentos por engano de homens e mulheres afegãos continuam ocorrendo, de acordo com o depoimento de um parente na província de Kandahar no início de dezembro.

Segundo a testemunha, o irmão foi baleado após acabar num fogo cruzado. Ele foi alvejado, por insurgentes, com duas balas no estômago, e mesmo ferido pediu ajuda às tropas pró-governo, que em vez de socorrer, atiraram nas pernas da vítima pensando se tratar de um outro insurgente. O tiroteio continou ainda por uma hora enquanto o irmão era levado para um hospital.

JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 01 DE OUTUBRO DE 2014
JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 01 DE OUTUBRO DE 2014
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

outubro 2014
S T Q Q S S D
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031