Povo do Timor-Leste foi fundamental para sucesso da missão, diz ONU

Ouvir /

Ex-chefe da Unmit, Ameerah Haq, afirmou que determinação dos timorenses para consolidar o novo país é uma das maiores lembranças que conserva de seu tempo na nação de língua portuguesa.

Ameerah Haq

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.   

A Missão das Nações Unidas no Timor-Leste chega ao fim, 10 anos após a restauração da independência do país.

Uma cerimônia simbólica para o arriar da bandeira azul das Nações Unidas na sede da Unmit ocorre neste 31 de dezembro.

Participação

A ex-chefe da Unmit, Ameerah Haq, contou à Rádio ONU, que se lembrará sempre da participação ativa dos timorenses na consolidação do novo país.

A subsecretária-geral para o Departamento de Apoio no Terreno em Missões de Paz, Ameerah Haq, lembrou do que chamou "o tremendo compromisso nacional que os timorenses têm para assegurar que a luta deles não foi em vão." Segundo ela, os timorenses querem se estabelecer na comunidade de nações e também na região do sudeste asiático.

Um outro fator importante durante os trabalhos da Unmit, segundo Ameera Haq, foi a forma solidária como os timorenses se relacionam.

Compromisso

Segundo ela, a maneira como eles conversam com qualquer um, seja o cidadão na rua, na comunidades, ou o presidente e o primeiro-ministro do país, todos se juntam para mutirões de limpeza de praias ou de canais nas ruas. Para a ex-chefe da Unmit, existe um compromisso real em todo o Timor para avançar com a nação.

Foto: Unmit

Uma ex-colônia portuguesa, o Timor-Leste passou ao domínio da Indonésia em meados dos anos 70. Em 2002, o país, que tem o português como uma de suas línguas oficiais, viu sua independência restaurada após um referendo realizado com a ajuda das Nações Unidas.

Haq lembrou de seu tempo no Timor e de como os timorenses foram voltando à normalidade após um passado de lutas e insegurança.

Mercados

A subsecretária-geral contou que via as praias cheias de famílias timorenses passeando e tomando banho de mar. Ela disse que à noite, a cidade estava repleta de mercados locais, que foram se estabelecendo com a chegada de mais segurança nas ruas.

Uma outra preocupação da Missão no Timor-Leste foi fortalecer as instituições do país após anos de dominação indonésia.

Ameerah Haq disse que o Parlamento timorense floresceu assim como outras instituições fundamentais para a consolidação da nova democracia.

Sinergia

E ao ser perguntada como as Missões de Paz podem cooperar entre si para gerar mais sinergia e economia no orçamento da ONU, ela deu um exemplo do que ocorreu logo após chegar ao Timor-Leste, em 2010, numa outra Missão que também conta com uma forte presença de contingentes brasileiros.

Haq lembrou que logo após chegar ao Timor-Leste para chefiar a Unmit, ocorreu o terremoto do Haiti, em 12 de janeiro de 2010. Ela então autorizou o envio de 34 pessoas da Unmit para ajudar nos trabalhos de resgate no Haiti. Um outro exemplo foi o envio de contêineres da Unamid, a missão de paz em Darfur, para Abiey, a província localizada na fronteira com o Sudão do Sul.

Futuro de Paz

E mesmo sem estar no Timor-Leste neste 31 de dezembro para a cerimônia do arriar da bandeira, Ameera Haq já aposta num futuro de paz para todos os timorenses.

Ela disse que a bandeira será arriada e que pelos desejos dela, o povo timorense terá um futuro próspero, pacífico e brilhante.

 Clique aqui para ouvir a entrevista na íntegra (em inglês).

 

 

 

 

 

 

JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 26 DE NOVEMBRO DE 2014
JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 26 DE NOVEMBRO DE 2014
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

novembro 2014
S T Q Q S S D
« out    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930