ONU saúda implementação da Convenção que protege deslocados em África

Ouvir /

Alto Comissário para Refugiados considera que entrada em vigor do instrumento é "avanço histórico"; continente tem mais de metade dos 26 milhões de deslocados internos.

Foto: Acnur

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Alto Comissário da ONU para Refugiados, António Guterres, considerou um "avanço histórico" a entrada em vigor da convenção para a proteção cerca de 10 milhões de deslocados de países de África.

A medida passa a ser implementada a partir desta quinta-feira, após ter sido ratificada por 15 Estados do continente. A Suazilândia foi o último país a adotar o documento.

Assistência

A Convenção da União Africana sobre a Protecção e Assistência às Pessoas Deslocadas Internas, estabelece um quadro jurídico e obriga os Estados a buscar ativamente formas de evitar o deslocamento interno. O documento é também conhecido como Convenção de Kampala.

Falando a jornalistas, em Genebra, a porta-voz do Acnur,  Fatoumata Lejeune-Kaba abordou a necessidade de se garantir o acesso aos deslocados internos de uma forma mais sistemática.

Acesso

A porta-voz disse que a incapacidade de chegar às áreas de origem das pessoas para dar ajuda, antes que se comecem a movimentar, gera ausência humanitária. Ao longo do tempo, estas tendem a deslocar-se  para outros locais,  no que leva à deterioração da situação humanitária.

A Somália lidera a lista das maiores populações de deslocados internos em África com 1,4 milhões. Segue-se o Sudão com 2,4 milhões e  a República Democrática do Congo com mais de 2 milhões.

Nascimento

O relator especial da ONU para os Direitos Humanos  dos deslocados internos disse que a entrada em vigor da Convenção marca o nascimento do primeiro instrumento vinculativo regional e internacional sobre o fenómeno.

Em comunicado, emitido em Genebra, Chaloka Beyani defende que a situação dos deslocados internos afeta a estabilidade dos Estados, principalmente em situações pós-conflito. Ela citou o Quénia, o Sudão e a Cote d ´Ivoire também conhecida como Costa do Marfim.

Para o representante, o continente registou a maioria dos 26 milhões de deslocadoss devido a conflitos ou à violação dos direitos humanos. Meio milhão foi causado por desastres naturais súbitos, como inundações.

JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 20 DE AGOSTO DE 2014
JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 20 DE AGOSTO DE 2014
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

agosto 2014
S T Q Q S S D
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031