Manutenção de infraestruturas de água desafia Moçambique e Angola

Ouvir /

Declarações foram feitas pela diretora de Saúde Pública e Meio Ambiente da OMS após lançamento de relatório sobre o estado mundial do acesso à água e ao saneamento básico.

Foto: Unep

Camilo Malheiros Freire, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Países como Moçambique e Angola carecem de recursos humanos para manter infraestruturas de água potável, disse a diretora de Saúde Pública e Meio Ambiente da Organização Mundial da Saúde, OMS, Maria Neira.

Ela falava à Rádio ONU, de Genebra, após o lançamento de um relatório sobre o estado mundial do acesso à água e ao saneamento básico.

Progresso

Apesar de assinalar um "grande progresso" mundial na área, o documento indica que várias nações estão atrasadas no cumprimento de seus objetivos sócio ambientais.

Maria Neira citou Moçambique e Angola como exemplos de países lusófonos onde a manutenção eficaz dos serviços existentes pode ser mais importante do que a construção de nova infraestrutura.

Continuidade

"A dificuldade tem sido manter a infraestrutura. A construção está a ser feita mas o mais difícil para transportar àgua é a manutenção. Queremos levar a mensagem de que não só é preciso dar dinheiro a estes países, mas também manter esses recursos humanos para dar continuidade a este tipo de resultados."

A análise da situação da infraestrutura de mais de 70 países  aponta que mais de 70% dos casos analisados no documento correm grande risco de não alcançar as Metas do Milénio até 2015.

Para a OMS, após 2015, novas metas relativas ao acesso universal à água e o saneamento, vão precisar de esforços combinados de vários agentes, e de grandes investimentos.

*Apresentação: Eleutério Guevane.

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE OUTUBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE OUTUBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

outubro 2017
S T Q Q S S D
« set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031