ONU recebe jovens brasileiros com síndrome de Down

Ouvir /

Pela primeira vez, organização marca o Dia Mundial da Síndrome de Down; grupo do Brasil lança em Nova York livro sobre acessibilidade para portadores de deficiência intelectual.

Cláudio é instrutor de hipismo em São Paulo

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.*

21 de março de 2012: os 193 países-membros das Nações Unidas marcaram pela primeira vez o Dia Mundial da Síndrome de Down. A data foi escolhida em referência à origem da síndrome: a presença de um terceiro cromossomo de número 21, que causa a deficiência.

Um grupo de ativistas brasileiros que têm a síndrome participou, na sede da ONU em Nova York, de uma conferência para marcar a data. Inclusão social e respeito foram termos recorrentes no evento. Para Carol, de 24 anos, a autoaceitação é fundamental.

Respeito

“Nossa, é a primeira vez que vim a Nova York. Isto aqui é um sonho, estar aqui na ONU. Eu estou muito feliz. A pessoa com a síndrome de down, ela mesma têm que se respeitar, aceitar, ter um respeito.”

Carol, pela primeira vez em Nova York

O evento foi co-patrocinado pelas Missões do Brasil e da Polônia junto às Nações Unidas.

Os brasileiros aproveitaram o primeiro Dia Mundial da Síndrome de Down para lançar na ONU o livro Mude seu Falar que Eu Mudo meu Ouvir. O manual, bilíngue em português e inglês, foi escrito pelos próprios portadores e organizado pela Associação Carpe Diem.

Preparo

A presidente da entidade, Glória Moreira Salles, é mãe de uma jovem de 33 anos com Down. Para Glória, o Brasil está hoje mais preparado para apoiar as pessoas com a síndrome do que há 30 anos.

"Não vou dizer que a inclusão na educação esteja perfeita não. Mas tudo foi melhorando. Eu acho que o preconceito diminuiu demais, ainda existe. Mas melhorou muito, muito. E eles estão procurando o espaço deles. Eu acho que isso é o melhor de tudo. Eles estão sendo protagonistas desse trabalho todo de estar presente nos lugares e falando por eles."

Rotina

O preconceito ainda existe, mas os jovens com síndrome de Down se esforçam para provar que é possível ter uma rotina como qualquer pessoa. Beatriz, de 20 anos, trabalha em um restaurante e há três meses, está namorando. Mas lembra das dificuldades que enfrentou nos tempos de escola.

"Todos devem respeitar nosso ritmo e noso tempo. Eu frequentei uma escola regular, normal. (A relação com os colegas de sala) era tranquila. Tudo bem que tinha gente que não ia com a minha cara, mas tudo bem. Eu quero falar, para todo mundo ouvir, que nós somos capazes de tudo. Até para namorar, casar, até trabalhar nós conseguimos."

Inclusão Social

Evento na ONU foi organizado pelas Missões do Brasil e Polônia

Ao discursar na abertura da conferência, a embaixadora do Brasil, Maria Luiza Ribeiro Viotti, destacou a importância de incluir os portadores de Down na sociedade:

“O Brasil tem avançado na implementação dos apoios necessários ao pleno e efetivo exercício da capacidade legal por todas e cada uma das pessoas com deficiência. Cada vez mais, nos empenhamos na equiparação de oportunidades para que a deficiência não seja utilizada como motivo de impedimento à realização dos sonhos, dos desejos e dos projetos.”

E foi exatamente o sonho pelo hipismo e a paixão por cavalos que levou Cláudio, de 26 anos, a conseguir um trabalho na Sociedade Hípica Paulista. A mãe dele, Lisabeth Arruda, fala com emoção sobre a determinação do filho:

Sonho e Esperança

"O sonho de Cláudio sempre foi o hipismo, ele salta. E hoje, depois de muita batalha, ele conseguiu uma carteira assinada. Então isso para mim foi a maior prova de que a sociedade mudou. Na adolescência do Cláudio, eu sonhava com que ele trabalhasse, com que ele tivesse alguma inserção (na sociedade). E eu cheguei a não acreditar que isso fosse possível. E ele dizia: 'Mamãe, eu vou trabalhar com cavalos'. E eu dizia a ele que não havia lei de cotas. E hoje ele está lá. Trabalha, com carteira assinada."

Mariana: desejo por convivência harmoniosa

Já para Mariana, de 33 anos, o Dia Mundial da Síndrome de Down traz uma esperança:

"Para a gente poder conviver com as outras pessoas no mundo inteiro. E para a gente poder se conhecer melhor. Eu sou muito feliz com síndrome de Down."

*Fotos: Camilo Freire.

JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 22 DE MAIO DE 2017
JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 22 DE MAIO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

maio 2017
S T Q Q S S D
« abr    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031